Limpeza do teclado

No passado dia 8 de Janeiro fiz limpeza do teclado USB que uso, principalmente para retirar o pó que tinha juntado em volta das teclas

 

 

 

Depois de abrir o teclado e tirar as borrachas das teclas, levei a parte superior do teclado, onde estão presas as teclas, para a varanda, e soprei vigorosamente com ar comprimido (2-4bar).

 

Depois de limpo, a tarefa monótona de colocar as borrachas certinhas em cada tecla

 

 

Por fim, o teclado pronto e protegido contra o pó …

 

 

… com película aderente.

Substituição do fluído dos travões no Citroën C3 2006

Após a substituição dos calços dos travões decidi que já era altura de mudar o fluído dos travões/embraiagem, uma vez que, o que estava no sistema, ainda era o de origem.

Este foi o “chá” que saiu do sistema de travagem (já se encontra um pouco diluído porque se misturou com o novo).

 

Fluído Usado

A cor do novo fluído, para comparação, pode se ver dentro do tubo

 

Fluído Usado

…mais do mesmo “chá”…

 

Fluído Usado

… mais uma foto onde se pode ver todo o dispositivo usado para receber o fluído que saíu dos parafusos de purga

 

O tubo (6mm de diâmetro interno) encaixa perfeitamente nas pontas dos parafusos de purga no Citroën C3 2006 🙂

Vou tentar explicar com algum detalhe o processo que usei para fazer o serviço

Primeiro, comecei por tentar esvaziar o reservatório de fluído no compartimento do motor. Mas esta tentativa acabou por ser infrutífera.

O problema é que o C3 e provavelmente outros veículos PSA, e até mesmo outros veículos Europeus, usam o mesmo sistema. Trata-se de usar um único depósito para ambos os sistemas hidráulicos de travagem e de embraiagem. E, para fazê-lo, compartimentaram o depósito com um tanque intermédio para o circuito de embraiagem.
A minha ideia era aspirar o líquido antigo do reservatório, tal como tinha visto os mecânicos nos EU a fazer facilmente. Mas isto simplesmente não dava neste veículo.

Sendo assim decidi tomar uma atitude, para com o problema, mais arrojada. Iria usar ar comprimido no reservatório e obrigar o líquido velho a sair pelo parafuso de purga mais próximo (esquerdo frontal).
Uma coisa que me fartei de ouvir e ler antes de fazer o serviço foi para NUNCA DEIXAR A BOMBA DE TRAVÃO FICAR EM SECO.
Para evitar que isso acontecesse eu estava a monitorizar o nível no depósito à medida que ia saíndo para a garrafa e assim que o nível atingisse o mínimo ou aproximadamente ao nível da entrada na bomba de travão eu iria parar e colocar fluído novo para começar o processo de substituição/lavagem do sistema.

Isto era tudo muito bonito na minha ideia mas, como “noob” neste tipo de serviço, tinha que fazer asneira. 😛

Estava ali todo contente, com aquilo a drenar e tal… quando, de repente, ouço uma rajada de ar na garrafa.

Fui verificar dentro do depósito com uma iluminação melhor (já estava de noite) e estava comprovado que a diagonal EF-DT (esquerda frente-direita traseira) na bomba de travão tinha sido completamente esvaziada.

Pus-me então a tentar descobrir como é que deixei aquilo acontecer, e foi então que topei que não estava a seguir o verdadeiro nível de fluído de travão dentro do reservatório. Eu estava a monitorizar o nível no sub-tanque da embraiagem e não reparei que abaixo e por detrás deste estava o líquido a ir-se. Eu bem que estranhei que aquilo nunca mais descia 😛

Uma vez que já era de noite e já tinha feito borrada decidi continuar no dia seguinte e, entretanto, repensar as minhas opções para colmatar o problema.

No dia seguinte fui tentar remediar o que tinha feito e acabar o trabalho. Colocar o carro pronto para a estrada e, claro, em condições seguras de condução.

Coloquei então fluído novo no depósito até um pouco acima do nível máximo e comecei a fazer uma purga por gravidade no mesmo purgador que tinha usado antes e tentar encher aquela parte do sistema e remover todo o ar que tinha introduzido naquela linha.

Algumas horas mais tarde decidi purgar forçadamente através do mesmo purgador (não havia grande fluxo, se algum, por gravidade). Com o purgador fechado novamente, adaptei o dispositivo ao depósito. Coloquei a pressão (apenas ar) em cerca de 1 bar e abri o purgador outra vez.

Assim que o fiz, saiu muito ar a fazer bolhas num pouco de líquido no tubo e depois começou a correr o fluído novo.

Deixei assentar um pouco e depois fechei o purgador e fui bombear no pedal de travão para tentar forçar todo o ar para fora.

Com fluído no tubo à saída do purgador e como o purgador aberto carreguei mais algumas vezes no pedal para forçar o ar a sair. Tive o cuidado do fazê-lo à mão e não deixar ir muito a fundo, apenas operar na zona habitual de uso numa travagem normal.

Depois fiz o processo de purga forçada, agora sempre com o nível de fluído novo próximo (acima) do máximo, sem esquecer de verificar e adicionar sempre, para cada travão, até que saísse líquido novo (cor clara).

Na outra roda, diagonal com a primeira (direita traseira), havia algum ar emulsionado que saiu com o fluído velho e algum novo. Este terá emulsionado quando operacionei o pedal de travão e este empurrou o ar para aquela linha.

Substituição dos calços dos travões no Citroën C3 2006

Que bela surpresa eu tive quando fui verficar o estado dos calços de travão do carro.

Pastilhas Gastas

Pastilha Gasta Lado Direito

Pastilha Gasta Lado Esquerdo

 

O procedimento:

Para começar… Levantei a parte frontal do carro e coloquei-a sobre suportes (jack stands) da seguinte maneira:

Macaco Hidráulico e Pregui;a

Preguiça
Já agora, este não é o melhor tipo de chão para trabalhar porque o macaco de rodas precisa de se movimentar à medida que vai subindo/descendo. Existe, neste caso, a tendência para as rodas pequenas ficarem presas e aumentar o risco do carro escorregar e causar estragos.

Para efectuar o serviço tive que arranjar massa lubrificante de silicone, um bocado carote, para lubrificar os pinos das pinças que trabalham dentro de foles de borracha. Ao todo comprei tudo isto:

Material

Resto do material necessário: Kit de calços de travão que incluía parafusos e espaçadores novos (que já se encontravam instalados, os velhos aparecem na foto); massa lubrificante de silicone para lubrificar junto de acessórios de borracha; massa de cobre (Copaslip) para colocar entre os calços e os espaçadores

 

 

Preguiça

Garrafa de limpa travões barato

 

Ficou com bom aspecto. Mas eu sou suspeito 😀

Travão Esquerdo

Travão Esquerdo

Travão Direito

Travão Direito

 

Depois desta reparação, decidi mudar o fluído hidráulico dos travões/embraiagem no mesmo veículo. Mais sobre isso aqui. Vemo-nos lá 😉

Rainmeter – ferramenta de customização do ambiente de trabalho

Ambiente de trabalho que se preze, para um geek, tem que ter um aplicativo qualquer que faça a constante monitorização do PC e apresente os respectivos dados de uma maneira limpa, ordenada e intuitiva.

Na minha busca por um aplicativo com essa finalidade, e parecido com a ferramenta GeekTool que uso no Mac, mas que corresse em Windows (XP), o Google lá me deu o que eu queria, o Rainmeter.

Parti da skin original, illustro, e tenho, a partir daí, desenvolvido o código (ficheiros de configuração) de acordo com os meus gostos e preferências.

Rainmeter

Aqui está o código que adicionei/modifiquei

RAM – USADA/TOTAL em vez de percentagem de RAM em uso –Download ficheiro INI

[measureTRAM]
; Return total RAM available in bytes
Measure=PhysicalMemory
Total=1
UpdateDivider=3600

[measureURAM]
; Returns the amount of RAM used in bytes
Measure=PhysicalMemory
Total=1
UpdateDivider=5


[meterValueRAM]
Meter=STRING
MeterStyle=styleRightText
MeasureName=measureTRAM
MeasureName2=measureURAM
X=200
Y=0r
W=190
H=14
NumOfDecimals=0
AutoScale=1M
Text="%2B/%1B"


[meterBarRAM]
Meter=BAR
MeterStyle=styleBar
MeasureName=measureURAM
X=10
Y=72
W=190
H=1

Rede (Network) – Endereço IP, Download, Upload, Total Downloaded, Total Uploaded – Download ficheiro INI

[measureTNetIn]
Measure=NetIn
Cumulative=1

[measureTNetOut]
Measure=NetOut
Cumulative=1

[styleDown]
; Color of Download Rate and Total Downloaded 
FontColor=0,150,0,220

[styleUp]
; Color of Upload Rate and Total Uploaded 
FontColor=180,0,0,220

[meterDownloadLabel]
Meter=STRING
MeterStyle=styleLeftText|styleDown
X=10
Y=60
W=190
H=14
Text="Download"

[meterDownloadValue]
Meter=STRING
MeterStyle=styleRightText|styleDown
MeasureName=measureNetIn
X=200
Y=Or
W=190
H=14
Text="%1B/s"
NumOfDecimals=1
AutoScale=1

[meterUploadLabel]
Meter=STRING
MeterStyle=styleLeftText|styleUp
X=10
Y=80
W=190
H=14
Text="Upload"

[meterUploadValue]
Meter=STRING
MeterStyle=styleRightText|styleUp
MeasureName=measureNetOut
X=200
Y=Or
W=190
H=14
Text="%1B/s"
NumOfDecimals=1
AutoScale=1

[meterDownloadedLabel]
Meter=STRING
MeterStyle=styleLeftText|styleDown
X=10
Y=100
W=190
H=14
Text="Downloaded"

[meterDownloadedValue]
Meter=STRING
MeterStyle=styleRightText|styleDown
MeasureName=measureTNetIn
X=200
Y=Or
W=190
H=14
Text="%1B"
NumOfDecimals=1
AutoScale=1

[meterSeperator2]
Meter=IMAGE
MeterStyle=styleSeperator
X=10
Y=112
W=190
H=1

[meterUploadedLabel]
Meter=STRING
MeterStyle=styleLeftText|styleUp
X=10
Y=120
W=190
H=14
Text="Uploaded"

[meterUploadedValue]
Meter=STRING
MeterStyle=styleRightText|styleUp
MeasureName=measureTNetOut
X=200
Y=Or
W=190
H=14
Text="%1B"
NumOfDecimals=1
AutoScale=1
; Because measureIP returns the current upload speed in bytes,
; we must use AutoScale=1 to automatically scale the value
; into a more readable figure.

Actividade do Disco – Taxa de Leitura e de Escrita no Disco – Download ficheiro INI

[Rainmeter]
; Written by Renato Casqueira on 20130605
Update=800
Background=#@#Background.png
BackgroundMode=3
BackgroundMargins=0,34,0,14

[Variables]
;Variables declared here
fontName=Trebuchet MS
textSize=8
colorText=255,255,255,205

[styleTitle]
;Monitor Title Style
StringAlign=center
StringCase=upper
StringStyle=bold
StringEffect=shadow
FontEffectColor=0,0,0,50
FontColor=#colorText#
FontFace=#fontName#
FontSize=10
AntiAlias=1
ClipString=1

[styleLeftText]
;Monitor Left Align Text Style
StringAlign=left
StringCase=none
StringStyle=bold
StringEffect=shadow
FontEffectColor=0,0,0,20
FontColor=#colorText#
FontFace=#fontName#
FontSize=#textSize#
AntiAlias=1
ClipString=1

[styleRead]
;Color of Read Rate
FontColor=0,150,0,220

[styleWrite]
;Color of Write Rate
FontColor=180,0,0,220

[measureReadRate]
;Get Current Write Rate Data
Measure=Plugin
Plugin=PerfMon
PerfMonObject=LogicalDisk
PerfMonCounter="Disk Read Bytes/sec"
;Change Letter of Drive According to your setup (Default=C:)
PerfMonInstance=C:
PerfMonDifference=1

[measureWriteRate]
;Get Current Write Rate Data
Measure=Plugin
Plugin=PerfMon
PerfMonObject=LogicalDisk
PerfMonCounter="Disk Write Bytes/sec"
;Change Letter of Drive According to your setup (Default=C:)
PerfMonInstance=C:
PerfMonDifference=1

[meterTitle]
; Display Title
Meter=String
MeterStyle=styleTitle
X=100
Y=12
W=190
H=18
Text="Disk Activity"

[meterSubTitle]
; Display Subtitle (drive)
Meter=String
MeterStyle=styleLeftText
X=15
Y=30
W=190
H=14
;Change Letter of Drive According to your setup (Default=C:)
Text="C:\"

[meterRead]
; Display Read Rate Data
Meter=String
MeterStyle=styleRightText|styleRead
MeasureName=measureReadRate
X=10
Y=50
W=190
H=14
NumOfDecimals=1
AutoScale=1k
Text="%1B/s"

[meterWrite]
; Display Write Rate Data
Meter=String
MeterStyle=styleRightText|styleWrite
MeasureName=measureWriteRate
X=10
Y=70
W=190
H=14
NumOfDecimals=1
AutoScale=1k
Text="%1B/s"

Reparação de um Detector de Segurança de um Portão Automático Ditec

Este ano choveu mais comparado aos passados 2 ou 3 anos e porque a electricidade e a água quando se juntam formam coisas maravilhosas foi o que aconteceu com o circuito electrónico de uma fotocélula de segurança. Acabou queimada e em curto-circuito para sempre.

Deparando com as opções de comprar um novo par de detectores (≈60€) ou construir o circuito eu próprio (≈6€ + tempo dedicado), decidi que era melhor eu tentar construir uma por mim.

Foi então isso que fiz…

Circuito Pronto a Soldar

E o resultado final, comparado com a placa de circuito impresso (PCB) original queimada.

À Frente…

Circuito Pronto Frente

Atrás…

Circuito Pronto Trás

E está a funcionar perfeitamente novamente

Após concluir este serviço fui concluir a limpeza do MacBook Pro que tinha já começado e que se encontra descrita aqui

Primeira limpeza do meu MacBook Pro

O meu MacBook Pro andava há muito tempo com sintomas de sobreaquecimento, tipo as ventoinhas sempre a 6000rpm, mesmo com o CPU a não ultrapassar os 20% de carga e a zona por cima de onde estão os dissipadores escaldava ao toque. Facilmente atingia os 70°C-80°C com o CPU a 50%. Então decidi que era finalmente altura de ganhar coragem e abrir o meu MBP com 6,5 anos para verificar como estava, e efectuar a eventual limpeza.

Foi isso que eu fiz no passado dia 10 de Abril de 2013 e que passo a descrever

Primeiro coloquei todo o material, necessário para efectuar o trabalho, à mão.

Preparação do Material

A minha lista de ferramentas consiste em:

  • Tapete Antiestático
  • Pulseira Antiestática
  • Chave de Torx T6
  • Chave Phillips #00
  • Papel Higiénico (rolo)
  • Pano de Microfibras
  • Álcool Isopropílico (100%)
  • Pequena Escova (pincel)
  • Pinça Plástica
  • Equipamento de Ar Comprimido (Garrafa de extintor a 7,5bar de ar comprimido, Filtro, Regulador de Pressão, Mangueira, Pistola de Ar)
  • Embalagem de Cotonetes

De seguida desapertam-se os parafusos que mantém tudo montado no MBP. Do compartimento da bateria até aos parafusos laterais, tem que sair tudo.

Enquanto tiro os parafusos da parte de baixo do MBP uso o pano de microfibras por baixo para proteger a parte de trás do monitor contra riscos.

Após estarem todos os parafusos removidos é altura de começar a tentar tirar a parte de cima onde o teclado está fixado, o que se revelou um pouco difícil. Apesar da dificuldade, acabei por conseguir tirar, sem partir nada. E isto foi o que encontrei lá de baixo (peço desculpa pelas fotos com um balanço de brancos incorrecto).

Dentro do MBP

Ventoinha Direita

Placa Lógica

Dissipador Direito

Dissipador Direito

Dissipador

Dissipador

Dissipador

 

As fotos seguintes foram tiradas após correcção do balanço de brancos na camera

Dissipador

Dissipador Direito

 

Como tinha lido algures num site, a pasta térmica mal aplicada (em excesso) nos Apple é mesmo verdade

Pasta Térmica do CPU e GPU

Pasta Térmica no Dissipador

Desde a abertura até a limpeza, passou-se uma semana, enquanto andei a fazer o sistema de ar comprimido e a arranjar o detector de segurança do portão automático que está reportado aqui

Limpei o chassis de alumínio assim como as placas electrónicas com ar comprimido e um pincel macio (este último não sendo usado nas electrónicas por causa da electricidade estática que poderia gerar).

Depois de limpar: um zoom da parte direita do dissipador onde a ventoinha fica montada.

Dissipador Direito Limpo

Finalmente, o MBP pronto para ser montado com tudo minuciosamente limpo

Placa Lógica Limpa

Resultados:

O meu MacBook Pro agora não fica na redline (6000rpm) o tempo todo (nem precisa de lá ir) e as temperaturas em idle melhoraram bastante (Tcpu≈45°C @ Tamb≈20°C com as ventoinhas @ 3500rmp continuos). Estou muito satisfeito com o resultado final e devia lembrar-me de limpá-lo mais regularmente.
Gostaria de agradecer ao excelente guia cedido por ifixit.com que me ajudou no processo de desmontar o MacBook Pro.
Remoção do dissipador do MBP, passo a passo